Rafael Xavier Castro, de 42 anos, foi uma das mais de uma centena de pessoas mortas nas cheias repentinas em Petrópolis. Como a família mesmo o descreve, o homem foi um guerreiro.

“Ele era um guerreiro, não tinha uma perna e penso que isso impediu que ele se salvasse. Como estava de jeans e usava perna mecânica, as pessoas não perceberam essa limitação”, disse o vendedor Filipe Xavier Castro, seu único irmão.

Aos 9 anos de idade, Rafael foi atropelado, sofreu um traumatismo craniano severo, ficou dois meses em coma, quase dois anos sem andar, mas se recuperou. Com 24 anos, se envolveu em um acidente automobilístico e perdeu a perna esquerda, mas também se recuperou. Passou a usar prótese e levava uma vida normal. Em 2011, quando as chuvas assolaram a região de Petrópolis, no Rio de Janeiro, a casa de Rafael foi destruída, a família perdeu tudo, mas ele e os familiares sobreviveram.

Rafael trabalhava no hipermercado Assaí e, naquele dia, saiu por volta das 15 horas e foi ao centro da cidade, onde tomaria o ônibus para seguir para casa no bairro Quitandinha, quando as fortes chuvas vieram.

“Estávamos eu, ele, minha mãe e minha filha, Maria Luísa. A lama tomou todo o andar de baixo e atingiu 30 centímetros no andar de cima. Perdemos tudo, mas conseguimos sair ilesos.” disse o irmão sobre a tempestade de 2011.

“A região estava toda alagada, acredito que ele achou que estaria mais seguro dentro do ônibus. Por volta das 5h30 (da tarde), ele mandou mensagem para a esposa, Adriana, contando que o rio estava pondo água para fora. Ele estava acostumado, pois o trecho sempre alaga. Só que desta vez foi pior e foi muito rápido. As pessoas que conseguiram sair, disseram que ele estava muito tranquilo, ajudando no salvamento de outras pessoas. Jogaram a corda e muitos saíram por ela, mas, na minha cabeça, imagino que ele nem tentou sair pela corda, pois sem a perna seria difícil. Ele era uma pessoa reservada, não falou da deficiência física, não pediu ajuda”, imagina o irmão, sobre a tempestade de fim trágico desse ano.

“Cheguei meio-dia e saí de lá quase meia-noite, mas com o corpo do meu irmão. Pelo menos, conseguimos dar um velório digno para ele. Ontem (sexta-feira, 18), nossa família se reuniu. Meu pai tem 67 anos e está arrasado. Minha mãe está mais forte, mas refizemos, em nossas lembranças, a vida dele de luta, de superação. Ele venceu, conseguiu realizar muitos dos sonhos que tinha. Foi um guerreiro.” finalizou ele.

Fonte indicada e adaptada: Estadão

RECOMENDAMOS






Colha o dia, aproveite o momento...