Sharbat Gula, uma pobre garota afegã, foi capa da revista em 1985 e foi refugiada no Paquistão até 2016, quando foi recebida de volta ao seu país natal. Hoje, com os olhos mais deprimidos que perderam o brilho, ela enfrenta novamente a realidade do regime talibã e as restrições que limitam tudo às mulheres.

A situação no Afeganistão hoje está sob a lente de aumento global, e é que a chegada do regime talibã ao poder e, com ela, as proibições grosseiras contra as mulheres , prestaram atenção especial em salvá-las para encontrar a vida que merecem. Uma vida baseada na liberdade.

No entanto, é impossível que, se pensarmos no Afeganistão, não pensemos na menina – agora uma mulher mais velha – que marcou a capa da National Geographic em 1985, não apenas por causa de seus poderosos olhos verdes, mas também por causa do reflexo do que viviam, meninas e mulheres daquela época.
chica ojos verdes 1 - A garota afegã da National Geographic: uma reflexão sobre as mudanças no Afeganistão

Sharbat Gula é o seu nome e a sua primeira aparição no mundo foi nesta prestigiada revista, sendo um rosto que marcou muitos e continua a vender a sua imagem. Mas é claro que com o passar dos anos o interesse pela imagem dela aumentou e Steve McCurry – que tirou a primeira foto – decidiu procurá-la novamente.

Assim, com uma difícil luta para encontrar “a garota afegã”, McCurry encontrou o paradeiro de uma mulher que só mantinha os olhos verdes, mas cujo rosto refletia uma vida cheia de dificuldades.

Fugindo de um lado para o outro na fronteira Afeganistão-Paquistão, evitando a guerra e a violência. Enquanto o mundo olhava para sua idílica fotografia congelada, ela vivia uma realidade brutal.

mujer afgana 3 - A garota afegã da National Geographic: uma reflexão sobre as mudanças no Afeganistão
National Geographic

Aquela menina que deslumbrou com sua beleza, sofreu com a perda de sua mãe, teve que deixar sua aldeia natal e se esconder nas cavernas por muito tempo. Por acordo, ele se casou aos treze anos e teve seis filhos, vivendo em extrema pobreza.

Com sua vida como refugiada no Paquistão, ela foi presa por portar documentos ilegais naquele país e passou um tempo na prisão. No entanto, o governo afegão citou razões humanitárias, como sua doença e seu status como um símbolo internacional para a causa dos refugiados , para pressionar o Paquistão por sua libertação imediata.

Desta forma, Sharbat Gula pôde retornar ao seu país natal: “A refugiada afegã mais famosa estará protegida quando voltar para casa e será recebida pelo presidente Ashraf Ghani para ajudá-la a recomeçar com sua família”, disse o embaixador afegão no Paquistão, à época.

Esta menina de olhos verdes testemunhou uma vida de mudança no Afeganistão e hoje, com o regime do Taleban de volta, uma vida de sofrimento e violência contra ela e tantas outras mulheres que vivem neste país , deve retornar.

Fonte: UPSOCL

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Colha o dia, aproveite o momento...