Guilherme Nóbrega de apenas 19 anos fazia faxina para pagar o cursinho estudando dentro do banheiro de um posto de combustíveis, passa em Medicina na USP (Universidade de São Paulo).

Ele conta que é seu sonho desde a infância, ao ir em médicos com seu pai, que tinha hidrocefalia. Se apaixonou pela profissão.

Ano passado, sua avó teve um AVC e ficou desacordada durante vários meses falecendo 3 dias antes do seu primeiro dia de Enem. “Fui prestar o vestibular acreditando que ela estava olhando por mim”, conta.

Sem condições de pagar um cursinho e com tanta paixão pelo seu sonho, contou com a ajuda da professora Eliane Limonti, de 38 anos. Em troca de uma bolsa ele tinha que organizar as coisas, limpar as salas, passar um pano em tudo, trocar o lixo e lavar os banheiros.”Eu dependia daquilo para alcançar meu sonho, então se tornaram coisas simples” ele conta.

No final do mês de Janeiro, soube que tinha sido aprovado na UFPR, uma das universidades mais renomadas do país. Mas ao esperar o resultado de sua inscrição na USP, veio a surpresa, de 4 vagas para cotistas, seu nome estava no quarto lugar. “Senti como se eu tivesse ganho na loteria”, brinca. “Meus pais ficaram muito felizes. Foi emocionante ver que a batalha deles valeu a pena e saber que poderei fazer a diferença na vida das pessoas”, disse.

Ao saber que tinha sido aceito, ligou para o primeiro na lista de espera para ligar que a vaga era sua. “Eu falei parabéns, você vai fazer medicina na UFPR e ele ficou muito feliz. Me coloquei no lugar, imaginei o quanto ele gostaria de saber que o sonho dele seria possível”

Fontes que indicamos: Só Notícia Boa E G1


RECOMENDAMOS


COMENTÁRIOS




Revista Carpe Diem
Colha o dia, aproveite o momento...