A partir do cruzamento de dois labradores que atuam como auxiliares nos trabalhos dos bombeiros e da Polícia Militar; nasceram 9 filhotes que vão reforçar o canil do Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro.

A labradora Lua, mãe dos cãezinhos, já atua há 4 anos no 2º Grupamento de Socorro Florestal e Meio Ambiente (GSFMA) dos Bombeiros em Magé, e auxilio o salvamento do ocorrido em Brumadinho, ocorrido em janeiro.

Lua possui certificação internacional na área de busca e resgate. Também ajudou nas buscas nos desabamentos em Muzema, na Zona Oeste do Rio, ainda este ano, no mês de abril.


“Ela atuou principalmente em Muzema, que foi um evento que aconteceu muito rápido, chegamos rapidamente. Ela conseguiu lograr êxito e nós encontramos vítimas lá”, diz o cabo Jorge da Silva Gomes, condutor da Lua.
frame 00 00 51.572 - Filhotes de cadela que ajudou no desastre de Mariana são o novo reforço dos Bombeiros de MG
Lua ajudou nas buscas em Muzema, na Zona Oeste do Rio — Foto: Reprodução/TV Globo

O pai, o também labrador Chefe, atua em outro tipo de serviço. Trabalha no Batalhão de Ações com Cães da Polícia Militar, auxiliando a encontrar armas e explosivos.

frame 00 01 23.003 - Filhotes de cadela que ajudou no desastre de Mariana são o novo reforço dos Bombeiros de MG
Chefe, o pai dos cãezinhos, atua no Batalhão de Ações com Cães — Foto: Reprodução/TV Globo

As duas fêmeas e os sete machos, iniciaram seu treinamento com apenas 3 dias de vida, em que passaram a receber estímulos da veterinária do 2º GSMA de Magé, a fim de desenvolverem a motricidade.

frame 00 00 00.724 - Filhotes de cadela que ajudou no desastre de Mariana são o novo reforço dos Bombeiros de MG
Os filhotes começaram os treinamentos ainda no 3º dia de vida — Foto: Reprodução/TV Globo

frame 00 00 05.069 - Filhotes de cadela que ajudou no desastre de Mariana são o novo reforço dos Bombeiros de MG
Uma enquete nas redes sociais vai definir os nomes dos filhotes — Foto: Reprodução/TV Globo


Seus treinamentos são mais leves, afinal, ainda são filhotes. Seus treinos duram apenas quinze minutos por dia, de segunda a sexta. Mas, assim que crescerem vão passar por treinamentos mais avançados e mais complexos, como buscas a vítimas em meio a estruturas e escombros.

A tenente Fabiana Christina, veterinária do canil explicou: “A gente coloca água, escombro, eles vão ter que atravessar essa pista todos os dias. Intercalando a isso, colocamos estímulo de som, porque são animais que vão trabalhar com retroescavadeira, com trovoada, então não podem se assustar com barulho forte, com chuva, com nada disso”.

O dever os chama, e vão ter de se separar. Dos nove filhotinhos, seis vão ser enviados para outras unidades. E apenas um vai seguir o Corpo de Bombeiros de Santa Catarina, onde sua mãe (Lua) “exerce sua profissão”.

O Corpo de Bombeiros de Magé, do Estado do Rio, são os únicos que trabalha com cães e essas ações já duram a 11 anos, tanto dentro quanto fora do estado. Os cachorros já trabalharam em 160 salvamentos, somente nesse período.

Fonte Indicada: G1


RECOMENDAMOS


COMENTÁRIOS




Lucas Mendes
Viciado em games, estudante de Educação Física na UFG, pai da Elisa (que ainda está pra nascer) e apaixonado por futebol. Em parceria com minha namorada Mariana, criamos a Carpe Diem com o objetivo de espalhar notícias boas e positivas. sempre antenados com a preservação ambiental.